Textos

A LINHA DOS BOIADEIROS NA UMBANDA

 
Quem São os Boiadeiros?

Os boiadeiros são espíritos aguerridos, rigorosos e combativos contra as forças do baixo astral. São especialistas em recolher espíritos obsessores, perturbadores, vampiros espirituais que assolam as pessoas no decorrer de suas vidas.
 
O Arquétipo dos Boiadeiros
 

O arquétipo dos Boiadeiros é uma grande homenagem ao do homem do campo, ao cuidador de gado, ao sertanejo, ao vagueiro, ao tocador de viola, ao peão, ao laçador e a todos aqueles que viveram sua vida na lida com a natureza e os animais, no interior deste Brasil, que possuíam uma religiosidade peculiar e muito forte, pautada em suas cantigas próprias, rezas populares e simpatias para atingir todo tipo de objetivo.
 
Orixá Sustentador dos Boiadeiros

Os Boiadeiros são entidades que atuam sob a irradiação de mãe Logunan, manifestando a Lei e a Ordem de pai Ogum, daí ser comum utilizar elementos de magia destes dois tronos divinos. Os pontos de força dos Boiadeiros, também por conta da atuação dos orixás Ogum e Logunan sobre a linha, são as estradas (Ogum) e as campinas (Logunan).
 
O Grau de Boiadeiros

A Linha dos Boiadeiros é um grau de transição, situado entre o menos um e o mais um (se não compreender essa parte, leia o texto “Arquétipo de Umbanda”). Há uma discussão sobre o fato de os Boiadeiros já terem atuado como Exus ou não. A este respeito, cremos, em particular, que os Boiadeiros já trabalharam como Exus, vindo de tal prática espiritual a grande facilidade em quebrar demanda, desfazer magias, recolher espíritos obsessores e perturbadores, dentre outras coisas que são especialidades dos Exus.
 
Os Instrumentos de Trabalho dos Boiadeiros

O boiadeiro utiliza o laço e o chicote, que são ferramentas de trabalho. Quando um Boiadeiro lança seu laço espiritual dentro dos terreiros de Umbanda, este laço vai buscar, nos mais diversos planos e dimensões, tudo o que estiver vibrando contra a Casa espiritual, ou um consulente em especifico. Para os Boiadeiros, não há causa perdida, se há uma atuação do baixo astral, uma demanda, uma magia, uma ação maligna, certamente eles irão encontrar, recolher e desfazer a mal.
 
 
O Trabalho Espiritual dos Boiadeiros
 
Só de termos contato com o arquétipo dos Boiadeiros já verificamos os principais trabalhos desta linha, vejamos.

Em primeiro lugar, os Boiadeiros têm um trabalho muito forte de condução espiritual, afinal, os boiadeiros, como tocadores e cuidadores de um rebanho de gado ou outros animais, nos remete a alguém que conhece os caminhos e estradas, que está apto a levar um rebanho ao seu destino; destino esse que era, na maioria das vezes, as fazendas e propriedades dos seus senhores patrões. Hoje, nós somos o grande rebanho que os Boiadeiros tocam rumo ao Criador, e nessa estrada, estamos seguros sob o comando e liderança destas entidades de luz.
 
Em segundo lugar, os Boiadeiros têm a função de nos livrar de todo mal, afinal, o Boiadeiro á aquele que, na condução do rebanho, afasta os perigos e os intemperes da estrada e caminhos pelos quais está a conduzir o seu rebanho, pois, para um Boiadeiro, não basta apenas conduzir o rebanho, mas conduzir em total segurança, buscando com seu laço, inclusive, algum animal que venha a se perder e se afastar demais. Logo, fica evidente a atuação dos Boiadeiros de afastar de nós os espíritos obsessores, perturbadores e vampirizadores nessa estrada reencarnacionista em que estamos. Daí verificamos a atuação firme e rigorosa dos boiadeiros contra os espíritos das trevas.
 
Nas estradas da vida, estradas estas de Pai Ogum, os boiadeiros vão cantando, rezando e, debaixo sol e chuva, seguem cavalgando, vendo o dia nascer e morrer, o sol surgir e se por, vendo tudo passar no tempo de mãe Logunan...é assim que os nossos pais Boiadeiros vão nos conduzindo, rumo ao nosso destino celestial.
 
A Linguagem dos Boiadeiros

É comum ouvir termos peculiares quando os Boiadeiros estão incorporados, tais como “Ê Boi”, “Esse Boi tá atolado”, ou ainda “é uma manada de boi”. Ora, em geral, boi significa espirito, dizer que o mesmo está “atolado”, quer dizer que ele está preso em algum lugar, “manada de bois” significa que são muitos espíritos. Os Boiadeiros têm a sua própria maneira de falar, lembrando muito os velhos vaqueiros e cuidadores de gado do sertão do Brasil.
 
A Saudação da Linha dos Boiadeiros

“Getruá , Boiadeiro!” Essa é a saudação da linha dos Boiadeiros. Ouvimos também os Boiadeiros dizer “Xetro Marrumbaxetro!”. Não há uma tradução literal para tal saudação, sendo apenas isso, uma saudação comum entre os Boiadeiros.
 

Algumas Mentiras sobre a Linha dos Boiadeiros

Sei que vai parecer absurdo o que vou falar, mas eu ouvi em um determinado “terreiro de Umbanda” (pelo menos disseram que era um Terreiro) que há uma divisão entre os Boiadeiros, ou seja, haveria os boiadeiros denominados de “léguas” (ex. Boiadeiro João Légua), que teriam sido espíritos que, quando encarnados, teriam sido senhores das fazendas, donos de propriedades, os patrões, e haveria ainda os Boiadeiros simples, estes que não trazem o nome de “légua” após a identificação da linha, no caso, se identificam (de acordo com essa fonte) sem o nome “légua”, apenas como Boiadeiro (ex. Boiadeiro João). Estes últimos teriam sido, segundo esse desserviço de informação, os empregados, os serviçais dos primeiros, os cumpridores de ordens. Segundo essa fonte nada segura, os “Boiadeiros Léguas” seriam mais importantes e evoluídos que os que não trazem tal nomenclatura.

É lamentável ver esse tipo de pensamento e ensinamento dentro da Umbanda. Quero deixar claro que isso não expressa, nem de longe, a realidade sobre os Boiadeiros, eis que a Linha dos Boiadeiros é apenas uma, não havendo essa divisão hierárquica baseada na encarnação anterior dos espíritos que a compõem, em que, em função de propriedades e papeis sociais, seriam alguns Boiadeiros melhores que outros. Quem afirma tal coisa nada entende sobre os arquétipos de Umbanda, e não passa de alguém muito malformado, que não tem a mínima condição de estar na frente de um trabalho de Umbanda. Até porque, se a Umbanda é uma religião que visa a busca do sagrado, do divino, o que haveria de divino em subdividir uma linha de trabalho de Umbanda em função dos papeis sociais desempenhados pelos espíritos quando encarnados? Não há nada de divino e sagrado nisso, antes há, de forma evidente nesse pensamento, o desejo de levar ao mundo astral desigualdades sociais que teria supostamente havido quando os espíritos estavam encarnados, e isso é inconcebível. Os Boiadeiros são igualmente importantes, e não há qualquer divisão em função de alguns terem sido supostamente patrões e donos de propriedades e outros não, isso é um absurdo e uma expressão de pura ignorância.
 
Outra questão que deve ser retirada de dentro da Umbanda é a pretensão de alguns em dizer que as médiuns mulheres não podem incorporar a Linha dos Boiadeiros. Ora, isso não tem o menor cabimento. Médium mulher incorpora sim Boiadeiro e realiza um excelente trabalho ao lado de sua entidade de luz, devendo ser rechaçada a pretensão de alguns terreiros de Umbanda que afirmam, por total cultura machista e preconceituosa, que as médiuns mulheres não podem incorporar tais entidades. Desde quando o Astral Superior de Luz está limitado ao sexo dos médiuns? Seja homem ou mulher, todos podem incorporar os Boiadeiros, dizer o contrário é expressar um desconhecimento e um despreparo enorme. Eu fico espantado em ouvir este tipo de informação e ver tais pretensões vindo de supostos sacerdotes de Umbanda que, só por afirmarem tais coisas, já demonstram o completo despreparo para estar à frente de um trabalho espiritual de Umbanda, eis que não se livraram de suas culturas machistas e preconceituosas, como poderão conduzir outros?
 
Não se pode admitir que pessoas preconceituosas, discriminadoras e sem nenhum tipo de informação façam o que bem entendam da nossa Religião, a Umbanda deve ser respeitada, a começar por aqueles que dizem defender a sua bandeira, que estão do lado de dentro dos nossos templos.
 
Conclusão

Encerro este texto saudando a Linha dos Boiadeiros e agradecendo ao amparo espiritual que nos dão dentro da nossa amada Umbanda. “Getruá , Boiadeiro!” “Xetro Marrumbaxetro!”
 
Um Sarava Fraterno a Todos!
 
Dúvidas e Perguntas:
jaderoliveira.j@hotmail.com
 
 
 
 
 
 
 
Primado Sete Covas do Brasil Templo de Umbanda
Enviado por Primado Sete Covas do Brasil Templo de Umbanda em 08/02/2016
Alterado em 08/02/2016

Música: Ponto de Boiadeiro - Quem vem lá é Dois Dois de Ouro - Desconhecido

Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários